10 Outubro 2017 In Notícias

Estimativas para crescimento do PIB sobem para 0,7%, em 2017, com indústria tendo expansão de 0,8%. No entanto, intensidade e duração da retomada dependem de reequilíbrio das contas públicas

Com a recessão tecnicamente superada, após dois trimestres seguidos de crescimento, a economia brasileira apresenta sinais mais consistentes de recuperação. Assim, impulsionado pela alta no consumo e pela forte queda na inflação, o Produto Interno Bruto (PIB) do país encerrará 2017 com crescimento de 0,7%. A indústria, por sua vez, crescerá 0,8%, o primeiro resultado positivo desde 2013, segundo projeções da Confederação Nacional da Indústria (CNI) destacadas no Informe Conjuntural, divulgado nesta terça-feira (10).

As estimativas foram revisadas para cima, diante do conjunto mais robusto de dados positivos na economia e de avanços na agenda de reformas – como a atualização das leis do trabalho e o anúncio de nova rodada de privatizações e concessões. Além disso, a forte queda na taxa de inflação amplia a renda disponível e ajuda a recuperar o consumo, efeito já sentido no comércio. “Na indústria, a gradual recuperação do consumo das famílias criará condições para o aumento da produção de forma mais disseminada”, diz o relatório da CNI.

No entanto, a expansão da atividade econômica ainda não será sentida por toda indústria. A alta de 0,8% no PIB industrial será liderada pelo crescimento de 7,2% na indústria extrativa e de 1,4% na indústria de transformação. A indústria de construção, por sua vez, deve cair 2,3% em 2017.

CONDIÇÃO ESSENCIAL – Apesar de a crise ter ficado para trás, ainda permanecem dúvidas quanto à intensidade e à duração da retomada do crescimento. A principal fonte de incertezas permanece a questão fiscal e a agenda de reequilíbrio das contas públicas. “O processo de ajuste fiscal caminha em ritmo lento e a revisão recente das metas fiscais para este ano e o próximo é um sinal de alerta”, aponta o Informe Conjuntural. “A reforma da Previdência, principal item da agenda fiscal, é essencial e urgente.”

OUTRAS PREVISÕES DA CNI PARA 2017

Inflação: A queda na taxa de inflação tem surpreendido por sua duração e intensidade e o Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) deve fechar 2017 em 3,1%. Assim, o indicador chegará ao fim do ano 1,4 p.p. abaixo do centro da meta de 4,5% estabelecida para este ano. O processo de desinflação tem ocorrido, sobretudo, pelo comportamento dos preços de alimentos, que subiram abaixo do usual devido à safra recorde.

Juros: A taxa básica de juros deve fechar o ano em 7% ao ano.

Balança comercial: O saldo comercial ficará em US$ 64 bilhões, em 2017, resultado do crescimento de 16,1% nas exportações (US$ 215 bilhões) e de 9,8% nas importações (US$ 151 bilhões). A taxa de câmbio deve encerrar o ano em torno de R$ 3,20/dólar.

Contas públicas: O déficit primário do governo federal e de suas estatais será de R$ 159 bilhões, equivalente a 2,4% do PIB, e dentro do novo limite de R$ 162 bilhões fixado para 2017 (R$ 159 bilhões para o governo federal e R$ 3 bilhões para as estatais), revisto em agosto pelo governo federal.

Emprego: A taxa de desemprego para o fim de 2017 foi revisada de 13,5% para 12,9%.

Fonte: Agência CNI

10 Outubro 2017 In Notícias

Encontro foi liderado pela FIEAC, em parceria com a prefeitura do município, e reuniu diversas instituições

O que fazer para desenvolver Xapuri? Qual o seu olhar para o futuro do município? O que fazer para a cidade ser mais atrativa para os empreendedores? Essas foram algumas das indagações elencadas durante o Encontro de Empreendedores e Lideranças de Xapuri, realizado na última sexta-feira, 6, no auditório da escola Anthero Soares, no centro da cidade que é conhecida mundialmente como a ‘Terra de Chico Mendes’.

O evento, liderado pela Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC), em parceria com a prefeitura de Xapuri, com apoio de diversas instituições, faz parte do programa Arco do Desenvolvimento e do Projeto Inovador (iniciativa do Programa de Desenvolvimento Associativo da CNI).

A proposta do encontro foi ouvir representantes do setor industrial do município, lideranças políticas e comunitárias, empresários e a sociedade em geral sobre os principais gargalos e problemas que impedem o crescimento dos diferentes segmentos de Xapuri. Na ocasião, os presentes também puderam sugerir o que poderia ser feito para solucionar esses percalços.

Além de diretores e executivos da FIEAC, estiveram no encontro representantes do Sebrae, Banco do Brasil, Banco da Amazônia, Acisa, Federacre, Fecomércio, Sedens, Associação Comercial de Xapuri, empresários do setor industrial do Estado, o deputado estadual Antônio Pedro, o prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos, entre outras autoridades.

O debate levantou problemas e propostas sobre temas como o ordenamento territorial, burocracia, estradas e ramais, comunicações e Internet, incentivos fiscais, produção, turismo, serviços, necessidades de qualificação profissional, entre outros. Também foi realizado um painel para discutir as possíveis vocações e tendências de setores para o desenvolvimento de Xapuri.

O presidente da FIEAC, José Adriano Ribeiro, destacou a importância de entender as dificuldades que o município atravessa e levar todas essas demandas às autoridades constituídas para tentar solucioná-las. “Isso vai desde a discussão da infraestrutura, passa pela economia, segurança energética, entre outras áreas. Tudo isso contribui para construção de um documento que queremos no próximo ano entregar aos candidatos e mostrar nossas preocupações em termos de desenvolvimento. Esperamos levar até essas lideranças uma proposta que integre todas as necessidades em um grande projeto para o Estado”, detalhou.

O prefeito Bira Vasconcelos garantiu que está empenhado para buscar melhorias para Xapuri desde o primeiro dia de seu mandato. “Precisamos nos juntar, pois não há solução mágica. Existem saídas, perspectivas, mas tudo isso exige muita mobilização e empenho de todos nós. Essa grande discussão, liderada pela Federação das Indústrias, é um passo importante para buscarmos dias melhores para o nosso município”, frisou o gestor.

João Cardoso, presidente da Associação Comercial de Xapuri, considerou o debate extremamente proveitoso e se disse confiante de que muitos problemas discutidos poderão ser solucionados.

“Foi um momento ímpar, de olharmos para o futuro. Buscamos verificar o que podemos fazer nesse momento de grave crise e qual papel da Associação Comercial, da FIEAC e das instituições que hoje estão conectadas. Debatemos e criamos propostas que apontam as prioridades emergenciais do município. Fiquei muito feliz por tudo que construímos nesse encontro. Acredito que, quando Estado e instituições têm boa vontade, as coisas acontecem. Tenho convicção de que teremos soluções para vários problemas aqui colocados”, assinalou Cardoso.

Galeria de fotos

Unicom

EMPRESAS


ACESSO RESTRITO


Intranet

ENDEREÇO


FIEAC
Avenida Ceará, 3727 - 7º BEC - CEP: 69918-108, Rio Branco, Acre - Fone: (0xx68) 3212-4200
UNIDADE INTEGRADA
DO SISTEMA FIEAC NO JURUÁ

Rua Afonso Pena, Nº 910, Bairro AABB - CEP 69980-000 - Cruzeiro do Sul - Acre - PABX (68) 3322-6597

logo bndes0001


banner cin   banner Legislacao   cub acre 2017   cont sindical

Você está aqui: Home FIEAC Ações parlamentares Itens filtrados por data: Terça, 10 Outubro 2017